A voadora de Lira em Zé Maranhão

Crônicas da vida real | Por Adriana Bezerra | 7 meses atrás | 188 |

O senador Raimundo Lira tem fama de manso.

Talvez crendo nessa mansidão, José Maranhão resolveu lhe dar um “cocorote” público, tratando sua saída do MDB como um ato de Judas – sugerindo, de forma direta, uma traição.

O troco que recebeu hoje de Lira no Rádio Verdade, da Arapuan FM, deve ter deixado Zé desnorteado. Certamente é um dos mais duros contragolpes já sofrido em sua longeva vida pública.

A voadora de Lira descortinou um acerto que José Maranhão fez em 2011 com o recém eleito senador Vital do Rego Filho:

Um dos políticos mais ricos da Paraíba, com milhares de cabeças de gado espalhados em latifúndios do País, exigiu emprego público para sua filha.

A exigência foi atendida.

Maria Alice foi contratada com salário inicial de R$ 12.811,69 – valor que subiu para R$ 13.452,28 em 2013 e chegou a R$ 14.124,90 em 2014, quando foi então exonerada por Lira.

Lira fez os cálculos: salário acrescido de décimos, férias e outros benefícios que a generosidade do Senado concede aos seus, fizeram Maria Alice embolsar ao longo de quatro anos quase R$ 700 mil.

Um dinheiro ao qual não fez jus.

“Nunca trabalhou uma hora sequer”, revelou Lira, que deu o golpe de misericórdia fazendo um apelo público a Zé Maranhão:

“Faça o que é certo: devolva esse dinheiro aos cofres do Tesouro”.

Nocaute.