Bayeux: tocaia, drible e adiamento da crucificação

Conta outra | Por Adriana Bezerra | 8 meses atrás | 280 |

Os vereadores de Bayeux, que planejavam colocar a forca da cassação no pescoço do prefeito afastado Luiz Antonio em plena Sexta-feira da Paixão, foram obrigados a adiar a crucificação.

Num drible bem dado, o advogado do prefeito afastado, Fábio Andrade, resistiu à tocaia de um grupo de vereadores, que tentaram notificá-lo da decisão da comissão de cassação (tomada na terça-feira, 27) de levar o processo para plenário imediatamente.

O rito era necessário para que a Câmara Municipal conseguisse produzir, amanhã, o desfecho final contra Luiz Antonio.

Os vereadores correm contra o relógio porque a liminar que afastou o prefeito pode cair próxima semana no Superior Tribunal de Justiça, onde será apreciado Habeas Corpus interposto pela defesa de Luiz Antonio.