Bolsonaro e Julian: quem cometeu estelionato?

Crônicas da vida real | Por Adriana Bezerra | 2 semanas atrás | 300 |

Julian Lemos emplacou três paraibanos na equipe de transição.

Durante e pós eleição recebeu afagos explícitos do presidente eleito Jair Bolsonaro.

Se o deputado federal eleito cometeu estelionato (respondeu processo judicial por isso), não o fez politicamente quando se vendeu como o “homem” de Bolsonaro no Nordeste.

Ao ser descreditado nas redes sociais pelo primeiro-filho, se tornou a mais nova vítima de uma artilharia pesada que a família presidencial despeja – inacreditavelmente  – contra seus próprios aliados.

Ele não foi o primeiro.  Nem deve ser o último.

Tudo o que se mexe é alvo.

Os filhos atacam de dentro pra fora e não têm critérios – vai da China (nossa maior parceira comercial) a Lemos.

Desafortunadamente, não se pode cometer a infantilidade de pensar que o País ganhou um presidente com uma prole rebelde.

Julian tentou vender a idéia da rebeldia, blindando Bolsonaro pai da suave artilharia disparada em contra-ataque contra Carlos Bolsonaro.

Mas o paraibano deve saber – melhor do que ninguém – que pelos filhos se chega ao pai.

Definitivamente, os meninos de Bolsonaro refletem o que ele pensa.

E Bolsonaro pensa que ganhou o Brasil na cozinha de sua casa com seus rebentos.

O mundo, porta afora, é dispensável.

Quem não entendeu ainda, agora é convidado a assistir a caída de ficha.

Eles vão continuar atirando.

Só pra avisar quem é que manda.