O teste de João: ele é tão duro na queda quanto Ricardo?

Crônicas da vida real | Por Adriana Bezerra | 1 semana atrás | 82 |

Ricardo Coutinho é a alegoria falando e se bulindo do “não abro nem prum trem”.
Peitou Judiciário. Sindicatos. Nichos poderosos.
Assembléia até teve seus quinze minutos de rebeldia no primeiro mandato. Depois só fez o que ele quis.
Porque, quando se sabe que do outro lado tem alguém que não recua, fica difícil comprar a aposta.
Ninguém quis arriscar com Ricardo.
Mas estão arriscando com João Azevedo.
O novo governador está sendo testado por sua base aliada na Assembleia Legislativa.
Um teste chamado eleição da Mesa Diretora.
Pode-se até considerar que a queda de braços é inglória. Afinal, não há risco do comando da AL ir parar nas mãos da oposição.
A briga é persona.
João quer Cida no segundo biênio.
A base, porém, tem outras preferências.
Mas ainda que o cabo de guerra não faça muito sentido, João precisa ganhar.
Ou vai acabar tendo que pagar as faturas engavetadas nos últimos oito anos por seu antecessor.
Com juros, mora e correções.